Você sabia? Aves também podem ficar bêbadas

Se você acha que somente os homens tem a capacidade de se embriagar, você está equivocado. Aves também ficam bêbadas.

É isso mesmo! Não é somente o humano que tem a capacidade de se embriagar.

Em algumas regiões frias como no Canadá e na Russia, algumas espécies de aves cuja alimentação é principalmente frutífera acabam ficando (pasmem) bêbadas.

Isso ocorre devido a um fato cientificamente interessante: as regiões onde deveriam ter “lei seca para aves” são áreas gélidas, e é esse frio o responsável por fermentar as frutinhas alvo dos pássaros que habitam os arredores. Dessa forma, as aves acabam comendo as frutas fermentadas e quando ingeridas causam a bebedeira nos nossos amigos voadores.

Em São Petersburgo, na Rússia, há uma espécie de ave que é devido ao calor e umidade que as frutas avermelhadas causam a embriaguez: é a família Bombycilla.Essa espécie não consegue digerir as sorvas fermentadas por ter um intestino curto. Dessa forma, o etanol acaba se dissolvendo no grande fígado da ave e não é absorvido pelo sangue, causando o efeito interessante nos pássaros.

Como nos céus do mundo animal não há lei seca, muitos desses bichinhos se chocam contra janelas, postes e muros e acabam se ferindo ou até mesmo morrendo.

No Canadá foi criada até mesmo uma entidade em apoio a essas aves. "Eles não são bons coordenadores de voo. Quando ficam realmente bêbados, eles acabam no chão e têm problema para levantar voo. Parece que eles estão cambaleando", disse à CTV News Meghan Larivee, integrante da entidade que ajuda os animaizinhos.

A entidade é responsável por recolher as aves embriagadas e abrigá-las em gaiolas até que o efeito do álcool tenha passado a ponto de que elas possam voltar a levantar voo de forma segura. Quando recuperados da ressaca, os animais resgatados são soltos em uma reserva florestal.

Fica então a dica: Se for voar não coma frutas vermelhas!

Se encontrar algum erro ou tiver alguma sugestão de curiosidade, entre em contato através da nossa fanpage no Facebook

FONTE: Dr. Curioso

Compartilhe este artigo:

Veja mais