Quem foi Marechal Rondon?

Marechal Rondon foi um importante militar, que deu grande contribuição aos mapas brasileiros, aos serviços telefônicos e missões militares.

Se você gosta de história, você já ouviu falar de Marechal Rondon. Se você costuma viajar pelas estradas brasileiras, com certeza já passou pela SP-300, também conhecida como Rondon. Mas, você sabe quem foi essa pessoa e o que ela fez para receber tal homenagem?

Cândido Mariano da Silva, mais conhecido como Marechal Rondon, nasceu em 5 de maio de 1865, na antiga cidade de Mimoso (atualmente é um distrito de Santo Antônio de Leverger), no Mato Grosso. Ele se tornou militar e sertanista, idealizou do Parque Nacional do Xingu e foi Diretor do Serviço de Proteção ao Índio.

Antes mesmo de nascer, ele perdeu o pai e, pouco tempo depois, a mãe. Em 1873, ele foi com um tio para Cuiabá, onde estudou na Escola Mestre Cruz e na Escola Pública Professor João B. de Albuquerque. Em 1879, ele entrou para o Liceu Cuiabano e se formou professor em 1881.

No mesmo ano, ele foi para a Escola Militar no Rio de Janeiro. Em 1884, ele já estava habilitado para fazer curso superior. Promovido a alferes-aluno em 1888, ele é transferido em seguida para a Escola Superior de Guerra, que havia acabado de ser criada pelo Governo Imperial.

Em homenagem ao tio, Manoel Rodrigues da Silva Rondon, ele pediu autorização ao Ministério da Guerra para acrescentar o sobrenome “Rondon”.

Em 1889, Rondon trabalhou na instalação de linhas telefônicas depois de ser nomeado ajudante do Major Gomes. Participando da Comissão Construtora de Linhas Telefônicas, ele era responsável por determinar as coordenadas geográficas.

Em março do ano seguinte, ele retornou para Cuiabá, onde obteve a graduação de engenheiro militar e bacharel em matemática e ciências físicas e naturais. Ele então passou a chefiar levantamentos topográficos e, com um grupo de 20 soldados, passou a desbravar o sertão.

Em seguida, ele volta para o Rio de Janeiro e assume a docência na Escola Militar. Porém, a nova função durou pouco, pois em 1891, ele é chamado para assumir a chefia do Distrito Telegráfico de Mato Grosso. Ele viaja para o MT no dia 6 de março, pouco tempo depois de se casar.

Com a ajuda de índios da região, ele estendeu as linhas telefônicas de Cuiabá para Corumbá, e para as fronteiras com a Bolívia e o Paraguai. Em 1906, ele foi encarregado de ligar o Mato Grosso ao Acre, território que havia sido incorporado ao Brasil recentemente.

Durante sua jornada, ele teve contato com muitas tribos indígenas, como os bororos, parecis e nhambiquaras. Por esse motivo, em 2 de março de 1910, ele é convidado para assumir o Serviço de Proteção ao Índio. Além disso, ele pode explorar um grande pedaço do território brasileiro, descobriu rios que não estavam no mapa do país, etc.

Foto: Reprodução InternetMarechal Rondon foi um importante militar e sertanista.
Marechal Rondon foi um importante militar e sertanista.

Em 1919, quando já era general de brigada, ele foi nomeado diretor de Engenharia do Exército e autoriza a construção de quarteis pelo Brasil. Em 1927, ele trabalhou na inspeção de fronteiras.

Já reformado, no posto de general-de-divisão, Marechal Rondon foi nomeado para a comissão mista da Liga das Nações, no ano de 1934. O objetivo era que ele apaziguasse o conflito travado por Peru e Colômbia pela posse da região de Letícia.

Primeiro presidente do Conselho Nacional de Proteção aos Índios, ele assumiu o cargo em 1939. No mesmo ano, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) lhe concedeu o título de “Civilizador dos Sertões”.

Ele desenvolveu ainda um projeto para criação do Parque Nacional do Xingu, que foi aprovado em 1952. Em 1955 ele alcança a patente de Marechal e, no ano seguinte, o território de Guaporé recebe o nome de Rondônia, em sua homenagem.

Marechal Rondon faleceu no dia 19 de janeiro de 1958, no Rio de Janeiro. Ele foi casado com Francisca Xavier e teve seis filhas e um filho.

Se encontrar algum erro ou tiver alguma sugestão de curiosidade, entre em contato através da nossa fanpage no Facebook

Compartilhe este artigo:

Veja mais