Por que alguns cadáveres sofrem o processo de saponificação?

A saponificação cadavérica conserva o corpo da pessoa morta por um período indefinido, mas muito maior do que os corpos que passam pela decomposição normalmente.

Quando uma pessoa morre, sabemos que rapidamente o corpo começa uma ação chamada decomposição. O tempo até um corpo se decompor totalmente depende do ambiente em que ele é deixado, podendo variar de duas semanas a dez anos. Porém, não é raro vermos casos de corpos encontrados intactos muito tempo após o óbito ter ocorrido. Isso acontece por alguns fatores, o mais conhecido deles é por causa do processo de mumificação, feito principalmente por civilizações antigas (os Faraós são o exemplo mais popular).

Porém, a mumificação é algo realizado por outras pessoas. Outra forma de conservar o corpo é através da saponificação, sendo que essa acontece de forma natural. Esse processo acontece após a fase de putrefação do corpo, quando o mesmo está em um ambiente com água estagnada, sem contato com o ar atmosférico e em solo úmido e argiloso. Tais condições formam uma espécie de “tanque de conservação” ao redor do cadáver.

A saponificação cadavérica começa cerca de 35 dias após o óbito. Quando as enzimas bacterianas hidrolisam as gorduras neutras, os ácidos graxos são produzidos. A gordura presente nos tecidos do corpo é transformada em adipocera, e é ela a responsável por conservar o corpo, juntamente com o ambiente.

Apesar de evitar que os órgãos “desapareçam”, após cerca de 3 meses, eles se transformam de maneira que ficam aparentemente idênticos. O processo completo demora um ano para ser concluído. Cadáveres de crianças, de pessoas obesas ou de humanos que morreram por intoxicação alcoólica e por fósforo são as mais propensas a passarem por esse processo.

Quando um corpo passa por esse tipo de conservação, ele possui algumas características bem específicas, como odor semelhante ao de um queijo rançoso, consistência gordurosa, mole e quebradiça, além de adquirir uma aparência que lembra um sabão ou cera, na cor amarelo-escura. O tempo em que o cadáver saponificado pode ser conservado é indefinido.

Saiba também: Quantos ossos formam o corpo humano?

Outros ambientes que retardam a decomposição

O deserto é outro tipo de ambiente que ajuda a preservar um cadáver. Por causa do clima seco, ele contribui para a mumificação, podendo levar milhares de anos para um corpo se decompor. A falta de umidade transforma a pele e os tendões em algo semelhante ao pergaminho, protegendo assim os ossos, além de diminuir a velocidade da decomposição.

Mais um exemplo de local que conserva o corpo de um morto são regiões extremamente geladas. O frio praticamente anula a atividade das bactérias, que juntamente com os vermes são os responsáveis pela decomposição. O tempo de decomposição também é indefinido. O cadáver congelado diminui de tamanho e adquire uma coloração alaranjada e em partes, acizentada.

Se encontrar algum erro ou tiver alguma sugestão de curiosidade, entre em contato através da nossa fanpage no Facebook

FONTE: Dr. Curioso

Compartilhe este artigo:

Veja mais