Fogos de artifício cósmicos estão sendo produzidos por estrela

Na constelação Catarina, localizada há 7,5 mil anos-luz da Terra, a estrela Eta Carinae tem estado em constante modificação, causando um efeito que poderíamos chamar de fogos de artifício cósmicos.

Os fogos de artifício são um verdadeiro espetáculo (os sem barulho, claro!). Eles colorem e iluminam o céu de uma maneira única, que encanta a maioria das pessoas. Agora, como seria se esses fogos fossem estourados no espaço? Provavelmente nunca saberemos. Mas, o telescópio Hubble conseguiu registrar algo semelhante, resultado da explosão de duas estrelas.

Na constelação Catarina, localizada há 7,5 mil anos-luz da Terra, a estrela Eta Carinae tem estado em constante modificação, causando um efeito que poderíamos chamar de fogos de artifício cósmicos. As imagens feitas pelo telescópio Hubble com a câmera Wide Field 3 foram divulgadas no dia 1 de julho de 2019.

Pesquisas apontam que esses acontecimentos ainda são resultados da Grande Erupção, uma forte explosão que aconteceu na constelação em 1838. Desde então, equipes da NASA acompanham com frequências os acontecimentos entorno desses astros. A constelação Catarina é formada somente por duas estrelas.

Cerca de seis anos após a Grande Erupção, explosões violentas começaram a acontecer na estrela, que está próxima do fim de sua vida. Como resultado, um brilho extremo pode ser visualizado, acontecendo em câmera lenta, e ela se tornou a segunda estrela mais brilhante a ser vista do Planeta Terra (ficando atrás somente da Sirius, que fica cerca de mil vezes mais perto do nosso planeta). As imagens registradas mostram o gás quente de magnésio refletindo a luz em raios ultravioletas (em azul).

Foto: NASA, ESA, NATHAN SMITH E JON MORSETelescópio Hubble registra fogos de artifício cósmicos na estrela Eta Carinae.
Telescópio Hubble registra fogos de artifício cósmicos na estrela Eta Carinae.

De acordo com o líder das observações, Nathan Smith, da Universidade do Arizona, durante a Grande Erupção, uma grande quantia de ar quente foi ejetada, mas até hoje, nem todo esse gás colidiu com materiais em torno da Eta Carinae. Quando esses gases atingem algum corpo no espaço, eles são aquecidos por ondas de choque. Com isso, acontece então as explosões.

Uma característica que chama a atenção da equipe de estudos são os raios ultravioletas, que atravessam uma densa poeira e deixam seu rastro, sendo visualizado nas imagens na cor azul. Esses rastros possuem um padrão de luz e sombra semelhante aos dos raios solares atravessando uma nuvem em um dia nublado.

A Eta Carinae possui grande importância quando o assunto é constelações. Por muitos anos ela contribui como guia para navegadores que viajavam pelos mares do sul do planeta. Com as novas informações obtidas, será possível entender de que forma a primeira explosão começou, porém ainda há dúvidas quanto as causas. Uma das teorias mais aceitas é de que, inicialmente, a constelação possuía três estrelas e a erupção começou quando a estrela principal devorou uma das demais.

Se encontrar algum erro ou tiver alguma sugestão de curiosidade, entre em contato através da nossa fanpage no Facebook

FONTE: Dr. Curioso

Compartilhe este artigo:

Veja mais