Estudos apontam que é possível dormir melhor em menos tempo de sono

Chamadas de “otimização do sono”, técnicas mostram como é possível acelerar a chegada do sono profundo, o que melhora a qualidade do descanso.

Para muitas pessoas, o momento mais “sagrado” do dia é quando estão dormindo. É durante os períodos de sono que descansamos e recarregamos nossas energias. Porém, nem todos conseguem dormir pelo tempo recomendado, que é de pelo menos 7 horas. Por isso, técnicas estão sendo criadas para que o curto tempo de sono seja melhor aproveitado e mais eficiente.

Chamadas de “otimização do sono”, essas técnicas mostram como é possível acelerar a chegada do sono profundo, o que melhora a qualidade do descanso.

Durante o período em que estamos dormindo, o sono passa por diferentes estágios, que possuem ondas cerebrais diferentes, que acontecem em ritmos diferentes.

Veja também: Por que temos pesadelos?

Quando estamos em sono profundo, o ritmo dessas ondas é de menos de uma “batida” por segundo. Quando chegamos a esse estágio do sono, ficamos em um estado de inconsciência, podendo ter um “descanso pleno”. É justamente esse tempo de sono que tem sido alvo das pesquisas feitas por cientistas.

Após alguns testes, foi possível descobrir que, quando essas ondas cerebrais se sincronizam com algum movimento externo, o sono entra na fase das ondas lentas mais rapidamente. Assim, a qualidade do sono aumenta, melhorando o aprendizado e a memorização.

Foto: CanvaDormir bem é essencial para a qualidade de vida das pessoas.
Dormir bem é essencial para a qualidade de vida das pessoas.

Durante a experiência, os participantes dormiram utilizando um dispositivo que monitora as ondas cerebrais. No momento em que as ondas lentas iniciam, ele emite pulsos curtos de som, que são silenciosos o suficiente para evitar que a pessoa acorde, mas altos o bastante para serem registrados pelo cérebro, mesmo que de forma inconsciente.

O barulho funciona como uma forma de estímulo para o cérebro, que tem seus ritmos cerebrais reforçados. Ao final do teste, os pacientes apresentaram maior facilidade para aprender novas informações, além de maior equilíbrio hormonal e redução do estresse.

A ligação entre o sono e a aprendizagem e memória é que, durante o período de ondas cerebrais, as informações estão sendo transmitidas em nosso cérebro. No período de ondas lentas, essa transmissão acontece mais facilmente.

Para que as pessoas possam se beneficiar da descoberta, muitas empresas já estão vendendo dispositivos para serem usados na hora do sono. Um exemplo é a faixa criada pela start-up francesa Dreem, que usa a estimulação auditiva para melhorar a qualidade do sono do usuário.

Confira: Dormir pouco e dormir demais aumenta risco de morte

Por que às vezes “pulamos” quando estamos quase dormindo?

Se encontrar algum erro ou tiver alguma sugestão de curiosidade, entre em contato através da nossa fanpage no Facebook

FONTE: Dr. Curioso

Compartilhe este artigo:

Veja mais