Dormir pouco e dormir demais aumenta o risco de morte

Para produzir um estudo, publicado no Journal of Sleep Research, uma pesquisa foi feita com mais de 38 mil adultos de até 65 anos

Que dormir é algo importante e que ter uma boa noite de sono é essencial para estarmos bem no dia seguinte, isso não é nenhum segredo. Mas, dormir por no máximo 5h ou por mais de 9h, pode ser um problema.

Um estudo realizado pela Universidade de Estocolmo, na Suécia, afirma que pessoas que dormem diariamente por somente 5h possuem 65% a mais de morrer do que pessoas que dormem por mais tempo. Para produzir o estudo, publicado no Journal of Sleep Research, uma pesquisa foi feita com mais de 38 mil adultos de até 65 anos. Através de um registro nacional de mortes, os participantes da pesquisa foram acompanhados por até 13 anos.

A boa notícia – ou não – é que os pesquisadores descobriram uma forma de reverter esse problema, caso uma pessoa não tenha como dormir mais tempo durante a semana: compensando durante o final de semana. Pessoas que dormiam pouco durante a semana, mas que conseguiam recuperar essas horas de sono aos sábados e domingos, não apresentaram risco de morrer mais cedo.

Foto: Reprodução Internetdormir

Torbjörn Åkerstedt, principal autor do estudo, relatou que, após a pesquisa, passou a acreditar que o sono do fim de semana pode ser considerado restaurador.

Porém, o estudo ainda apontou que dormir demais também pode fazer mal. Pessoas que dormem mais de 9h por dia possuem uma taxa de mortalidade de 25%. A pesquisa constatou que o ideal é dormir entre 6h e 8h por dia.

A duração média do sono durante o fim de semana e a porcentagem daqueles que diziam não se sentir descansados ao acordar apontaram diminuições, com a idade. Pessoas com mais de 65 anos tiveram mais consistência e dormiram com mais frequência em um período de tempo mais curto.

Se você se encaixa em um dos grupos, de dorminhocos ou de pessoas que dormem pouco, cuidado. Dormir é bom, mas viver por bastante tempo é melhor ainda!

Se encontrar algum erro ou tiver alguma sugestão de curiosidade, entre em contato através da nossa fanpage no Facebook

FONTE: O Globo

Compartilhe este artigo:

Veja mais