Como surgiu a continência militar?

O ato é bastante antigo e significa, principalmente, respeito.

Você já deve ter visto muitas vezes os militares prestando continência um para o outro, seja de verdade ou em filmes. O gesto é uma forma de cumprimento, um sinal de respeito entre os militares, sejam eles superiores, iguais ou subordinados. A continência também é prestada à autoridades, à bandeira e à tropa.

A continência tem origem na Idade Média, sendo usada inicialmente como respeito aos reis. Quando os cavaleiros se apresentavam diante do rei antes de uma batalha, eles tinham que usar a ponta dos dedos da mão direita para erguer a viseira do capacete medieval, chamado de elmo. Em seguida, o gesto passou a ser usado como um sinal de paz, pois significava que a espada não estava em punho e o objetivo não era utilizá-la. Enquanto o cavaleiro estava com a mão no elmo, o inimigo era proibido de reagir com violência física.

Com o passar do tempo, o cumprimento foi adotado por integrantes de um mesmo exército, tendo a mão levada a testa como forma de uma saudação amigável e respeitosa.

O ato da continência ele é impessoal, ou seja, ele não é prestado para a pessoa, e sim para a patente. O gesto não pode ser dispensado, sendo passível de punição.

Foto: Ministério da DefesaContinência

Há algumas regras para a prestação de continência.  

Deve iniciar o cumprimento primeiro quem está num posto de patente mais baixa. Um exemplo de regra é: quando estiverem se deslocando em uma via pública, o militar deve parar em posição perpendicular a do deslocamento do superior, ceder passagem para ele, prestar o cumprimento até ele se distanciar um passo. Os dedos precisam estar unidos e distendidos, e a palma da mão virada para baixo.

Existem ainda regras diferentes para o cumprimento em casos como, por exemplo, quando o militar está portando alguma arma ou espada.

Veja também: Por que o avião camuflado é verde, se o céu é azul?

Se encontrar algum erro ou tiver alguma sugestão de curiosidade, entre em contato através da nossa fanpage no Facebook

FONTE: Dr. Curioso

Compartilhe este artigo:

Veja mais