Como é o processo de fabricação do lápis de cor?

Para chegar até nossas casas, esse objeto passar por um processo de fabricação não muito difícil (para as fábricas, claro!), mas que merece atenção especial.

Ah, as cores! Elas que deixam o mundo tão lindo! E quando o mundo é retratado em forma de desenho, são os lápis de cor que dão vida as imagens, principalmente quando ainda somos estudantes e estamos na escola. Se você já foi criança um dia, provavelmente você já quis aquela caixa de lápis da Faber Castell, de 48 cores, né?!

Para chegar até nossas casas, esse objeto passar por um processo de fabricação não muito difícil (para as fábricas, claro!), mas que merece atenção especial. A Revista Exame acompanhou a produção dos lápis da Faber Castell. Descubra como eles são feitos!

1 – Mina

A primeira coisa a ser feita durante o processo de fabricação é fazer o recheio do lápis, aquele que dá cor aos desenhos. Esse recheio é chamado de mina, e é resultado da mistura de ceras especiais, pigmentos que dão a cor que o lápis terá, água e um minério chamado caulim. Eles são misturados, formando uma espécie de massa.

Essa massa é colocada em uma prensa, que deixa a mina parecida com um espaguete, com cor e diâmetro pré-definidos. Nesse estágio, a mina é maleável e quebra facilmente. Os espaguetes são separados por cores e vão para uma máquina de secagem, que retirará o excesso de água existente no espaguete. Ele fica na máquina por algumas horas, em um processo que combina giro e alta temperatura.

Depois que passa pelo processo de secagem, a mina está mais resistente e pronta para ser usada.

Foto: Tatiana Vaz/ExameFaber Castell 1
Foto: Tatiana Vaz/ExameFaber Castell 2

2 – Montagem

A montagem do lápis começa pela madeira, de pinus. As árvores utilizadas são 100% reflorestadas.

A madeira utilizada já vai para a fábrica cortada da espessura e formato certos. As tábuas passam por serras, que cortam 10 linhas com um pequeno espaço entre cada uma delas. As que ficam fora do padrão ou sobras são utilizadas para alimentar a caldeira da fábrica, gerando energia. Uma cola resistente é passada na madeira antes do corte das linhas e também depois, garantindo que as minas fiquem firmes quando colocadas na madeira.

As minas são colocadas em um rolo industrial, que coloca cada espaguete nos cortes. Outra madeira é colocada por cima, como se formasse um sanduíche. Após esse processo, o sanduíche é passado por uma prensa, que fecha o produto.

Depois de passar pela prensa, as tábuas recheadas com a mina vão para a máquina que fará o corte final, que poderá ser circular, triangular ou sextavado. Cada tipo de corte é feito de uma vez.

Foto: Tatiana Vaz/ExameFaber Castell 3
Foto: Tatiana Vaz/ExameFaber Castell 4
Foto: Tatiana Vaz/ExameFaber Castell 5

3 - Acabamento

Depois de cortados, os lápis vão para o acabamento final, onde ganharão pontas e cores identificando cada lápis.

Os lápis passam por uma esteira, onde recebem a primeira mão de tinta e são secados por ventiladores quentes. Uma segunda mão de tinta é dada em seguida e, os que ainda precisarem de mais cobertura, são colocados manualmente na esteira novamente. Depois de pintados, eles recebem uma camada de verniz atóxico.

Quando já estão pintados, eles passam por uma máquina que prensa o logo da Faber Castell em cada um dos lápis. Depois, são apontados e, antes de irem para as caixas, passam por uma esteira lenta, onde um funcionário fará uma última vistoria nos produtos, a olho nu. Essa vistoria é feita como um último “teste de qualidade”.

Foto: Tatiana Vaz/ExameFaber Castell 6
Foto: Tatiana Vaz/ExameFaber Castell 7

Depois disso, os lápis vão para as caixas para serem distribuídos e vendidos para nós, consumidores!

Foto: Reprodução InternetFaber Castell

Se encontrar algum erro ou tiver alguma sugestão de curiosidade, entre em contato através da nossa fanpage no Facebook

FONTE: Dr. Curioso

Compartilhe este artigo:

Veja mais