Como é o processo de adoção no Brasil?

Pretende adotar uma criança? Veja por quais etapas você deve passar antes de sua vontade se tornar uma realidade.

A adoção é considerada um dos gestos mais lindos que um casal pode praticar. Quando se decide adotar uma criança, além de aumentar a família do casal, eles possibilitam um menino ou menina a ter a oportunidade de terem uma família. Os motivos que levam as crianças para os abrigos são inúmeros: casos de abandono, maus tratos, trabalho infantil, abuso, perda de familiares, entre outros.

Nem toda criança tem um histórico totalmente traumático, mas com certeza elas não são tão felizes nos orfanatos como são ao ganharem uma família.

Um dos casos que comoveu o Brasil nos últimos meses foi a adoção da pequena Titi. Ela foi adotada pelos atores Bruno Gagliassi e Giovanna Ewbank. O motivo? A alegria e o amor da nova família é contagiante.

Mas, para adotar uma criança, é preciso passar por todo um processo burocrático, que demora pelo menos um ano. Outro fator, que determinará quando tempo a adoção levará para ser concluída, é o perfil de criança desejado. Quando menos idade a criança tiver, mais demorado é o processo.

Foto: Reprodução Internetadoção
Titi passeia com os pais, Bruno e Giovanna.

Etapas

Primeiramente, a pessoa ou casal deve manifestar sua vontade de adotar uma criança. Para isso, eles devem procurar a Vara da Infância e da Juventude da cidade onde residem. Caso não exista essa vara na cidade, é preciso ir ao fórum. Em ambos os locais, é preciso preencher alguns documentos relativos a vida do adotante.

Na segunda etapa, os candidatos a pais serão chamados para uma entrevista com assistentes sociais e psicólogos. Essa entrevista serve para ver se a pessoa está apta e tem condições de oferecer um ambiente qualificado para a criação de uma criança.

Depois de aprovada, a pessoa ou casal é inscrita no Cadastro Nacional de Adoção. Nesse cadastro os futuros pais preencher o perfil da criança que querem adotar: sexo, idade, cor da pele, se aceita grupo de irmãos ou crianças com necessidades especiais.

Posteriormente, os adotantes passam por um curso de preparação psicossocial e jurídica, onde aprendem sobre as necessidades emocionais de uma criança adotiva e também sobre as responsabilidades que terão ao se tornarem pais.

Quando a criança com o perfil escolhido é encontrada, o juiz determina uma espécie de estágio, onde os pais e criança começam a conviver diariamente com as crianças e vão se conhecendo com mais intimidade. O período varia, de acordo com cada caso.

Com o estágio concluído, o juiz finaliza o processo e determina a adoção, que só poderá ser interrompida por uma decisão judicial.

Foto: Reprodução Internetadoção

Se encontrar algum erro ou tiver alguma sugestão de curiosidade, entre em contato através da nossa fanpage no Facebook

FONTE: Dr. Curioso

Compartilhe este artigo:

Veja mais